Setor privado promove ação coletiva contra a corrupção para comemorar o dia internacional contra a corrupção

10.12.2019

Accra, Gana

Um painel de alto nível com stakeholders do setor privado e de organizações da sociedade civil convidou o setor privado a defender ações coletivas, por meio de colaborações e apresentando uma frente unida para vencer a luta contra a corrupção, especialmente à luz da implementação da Área de Livre Comércio Continental da África (AfCFTA).

A chamada foi feita no Fórum de Integridade Empresarial, informalmente intitulado “Posicionamento para o AfCFTA e a luta contra a corrupção: o papel crítico do setor privado de Gana”, organizado pela Alliance for Integrity, pela Federação de Empresas Privadas (PEF) e pelo Gana Anticorrupção (GACC) em colaboração com a Câmara de Comércio Gana-Reino Unido (UKGCC), Câmara de Comércio Americana- Gana (AMCHAM), Associação Econômica Gana-Alemanha (GGEA), Palladium e a Rede do Pacto Global da ONU.

Em seu discurso de abertura, Ronke Ampiah, presidente do Conselho Consultivo da Alliance for Integrity Gana, destacou a necessidade do diálogo entre os atores do setor privado sobre os desafios e obstáculos que enfrentam ao fazer negócios. Ela defendeu o engajamento e aprendizado ativo entre pares das melhores práticas em todo o mundo, especialmente sobre como aproveitar todos os benefícios do comércio entre fronteiras e de mitigar os riscos de corrupção. Ela também enfatizou a necessidade de ação coletiva do setor público, do setor privado e da sociedade civil na luta contra a corrupção.

Dando o tom para as discussões, Nana Osei Bonsu, Diretora Executiva da Federação de Empresas Privadas e Presidente da Coalizão Anticorrupção de Gana, destacou as oportunidades de negócios e investimentos que a AfCFTA mantém para o setor privado. No entanto, ele também enfatizou os desafios decorrentes de um mercado liberalizado, incluindo a aparente conexão entre comércio e corrupção. Ele observou que o setor privado não deve negligenciar as discussões sobre a operacionalização da CFTA apenas para o governo, mas se engajar ativamente em sua instalação, apresentando uma frente comum ao governo, que deve descrever o que o setor privado precisa obter com a CFTA e prevenir a corrupção. Portanto, ele incentivou o setor privado, especialmente as pequenas e médias empresas (PMEs) que compõem cerca de 90% dos negócios em Gana, a ingressar em associações setoriais relevantes, estabelecer parcerias e construir capacidade suficiente para suportar os choques da eventual implementação da CFTA. Ele aproveitou a oportunidade para incentivar o Parlamento Ganês a acelerar a aprovação do Projeto de Lei de Insolvências, para que as PMEs em dificuldades possam sobreviver à falência e possam participar da CFTA. Nana Osei Bonsu enfatizou a necessidade de colaboração no setor privado para se ter uma vantagem competitiva no comércio à luz da CFTA e do combate à corrupção.

Em um painel de discussão sobre o “Papel do setor privado na luta contra a corrupção”, os panelistas enfatizaram a necessidade de colaboração do setor privado para pressionar o governo a impulsionar a implementação completa do Plano Nacional de Ação Anticorrupção (NACAP) e a aplicação de todas legislações sobre anticorrupção. Os panelistas enfatizaram também a colaboração na coleta de dados no que diz respeito à corrupção e o uso dos dados para aumentar capacidades ou processar, quando necessário, servindo como dissuasor. A questão sobre o custo do combate à corrupção foi destacada e chegou-se a um consenso sobre a necessidade de ação coletiva e um novo passo ousado que parte da mera retórica à ação e agenda baseadas em evidências nos níveis da indústria, associação e câmara no combate à corrupção.

Os participantes do Fórum de Integridade Empresarial incluíram executivos de alto nível de entidades do setor privado, instituições do setor público, organizações da sociedade civil e agências internacionais.

Entre os panelistas estavam Simon Madjie, Secretário Executivo da Câmara de Comércio Americana, Gana (AMCHAM); N. Adjoba Kyiamah, Diretor Executivo - Câmara de Comércio Gana-Reino Unido; Stephen Antwi, Presidente - Associação Econômica Alemanha-Gana; Solomon Tettey-Akpeng, Membro do Conselho de Administração - Rede do Pacto Global da ONU; Bright Sowu, Vice-Diretora da Coalizão Anticorrupção de Gana e Dra. Ingrida Kerusauskaite, Líder de Portfólio, anticorrupção e fluxos financeiros ilícitos - Palladium / MoDAC.

Autor: Gideon Mankralo

Este site utiliza cookies. Você pode saber mais sobre seus direitos e como evitar cookies em nossa política de proteção de dados.Schließen