Empresas discutem o Compliance em negócios estrangeiros.

10.03.2020

Reutlingen, Alemanha

Empresas discutem o Compliance em negócios estrangeiros

Em 10 de março de 2020, os representantes de mais de 40 empresas e outros atores relevantes se reuniram na IHK Reutlingen para discutir a questão de “Compliance em operações estrangeiras”. Não é apenas entre os clientes que a demanda por produtos produzidos de forma sustentável está crescendo; as questões de compliance e integridade também estão desempenhando um papel cada vez mais importante para as empresas.

Os negócios estrangeiros são um desafio particular, especialmente para pequenas e médias empresas. Isso ocorre por várias razões: as interações com funcionários estrangeiros acarretam um risco aumentado de corrupção, as estruturas e procedimentos legais variam de país para país e a clareza diminui com a complexidade das estruturas e cadeias de valor.

Mas como as empresas podem agir? Uma abordagem baseada em riscos é a base para o sucesso das medidas de integridade. As pequenas e médias empresas, em particular, geralmente não dispõem de recursos humanos e financeiros para implementar muitas medidas de prevenção à corrupção simultaneamente. Portanto, é de extrema importância começar onde estão os maiores riscos.

Para revisar e melhorar ainda mais as medidas de integridade das empresas em comparação com os padrões internacionais,

o aplicativo e a plataforma online TheIntegrityApp da Alliance for Integrity e da Rede Alemã do Pacto Global servem como uma ferramenta benéfica.

Além disso, existem várias medidas relevantes para todas as empresas. Nesse sentido, Raphael Rozsa, diretor de Compliance da Ritter Sport, se referiu a um código de conduta que é facilmente acessível e compreensível para os funcionários e que forma a base para as ações dos funcionários, cujo conteúdo deve ser indicado por meio de treinamentos regulares.

Enquanto isso, grandes empresas de atuação internacional têm sistemas sofisticados de Compliance que foram aprimorados ao longo dos anos. Olaf Schick, diretor de Compliance da Daimler AG, introduziu o sistema de gerenciamento de sua empresa e compartilhou muitas ideias e experiências interessantes com os participantes do evento.

Christopher Edwards e Giuseppe Benenati, da startup Xylene, que usa a tecnologia de blockchain e dados de satélite para rastrear a origem de matérias-primas, também foram convidados para a discussão. O exemplo demonstrou claramente as oportunidades que a digitalização oferece para o Compliance e a integridade.

O evento foi organizado em conjunto pelas redes de Negócios Globais, Sustentabilidade, Compras e Vendas da IHK Reutlingen, DC-Scouts, Rede Alemã do Pacto Global e Alliance for Integrity.

Autor: Florian Lair

 
Este site utiliza cookies. Você pode saber mais sobre seus direitos e como evitar cookies em nossa política de proteção de dados.Schließen